6 de abr de 2014

Café com Madeleine Francesas

São os pequenos acontecimentos diários que tornam a vida, Maravilhosa!!

Cafezinho com as deliciosas e tradicionais Madeleine Francesas, bolinhos doces em formato de concha de vieira, assadas no forno em forminhas próprias, feito à base de farinha de trigo, ovos, manteiga e açúcar, aromatizados com suco e casca de limão siciliano ou água de flor de laranjeira.

"As madeleine vieram acompanhada de varias versão de sua origem, a mais conhecida conta a história de uma jovem chamada Madeleine que em substituição ao confeiteiro titular durante um banquete em homenagem ao ex-rei, então duque Stanislas, preparou a receita que era de sua avó. O ex- rei adorou novidade e quis conhecer a autora , perguntando -lhe o nome, onde nascera e como se chamava seus bolinhos, ela disse  chamar-se Madeleine Paulmier e revelou ter nascido em Commercy. Como os bolinhos não possuía nome, Stanislas o batizou: "vai se chamar madeleine de Commercy". No dia seguinte enviou a novidade para a filha comilona, Maria Leszczynski, mulher de Luis XV, na corte de Versalhes. Até a  morte do Duque de Lorena, 1766, a receita permaneceu secreta.

Para alguns pesquisadores  foi , Pantaléon Colombé patriarca de uma família de confeiteiros e padeiros , quem a liberou ao conhecimento publico.

A fama internacional, porém  só veio com o escritor francês  Marcel Proust. No Caminho de Swann, primeiro dos setes volume do clássico  Em Busca do Tempo Perdido, ele conta como conheceu as madeleines e revela o prodígio que operaram em sua vida e arte. Num dia de inverno chegando em casa com frio, a mãe lhe deu um bolinho acompanhado de uma taça de chá. ao levar um pedaço a boca, amolecido pela bebida, veio-lhe à mente não apenas a lembrança do passado, mas a sensação de resgatar a própria infância. A madeleine tinha o mesmo sabor da que a sua tia Léonine lhe oferecia todo o domingo de manhã, anos antes. Essa metáfora do paladar revivido, uma experiência desprezada por tantos adultos, pode ser interpretada como a vitória da memória sobre a sovinice do tempo. Umas coisa é certa: Proust ingressou tardiamente na saga do bolinho,mais sem ele as madeleines não teriam a mesma fama internacional".

Essas vieram diretamente da França, presente de queridos amigos, embaladas com data de validade como mostra uma das fotos.

Fonte da pesquisa : http://financiercapitolio.com.br/site










Nenhum comentário:

Postar um comentário